quarta-feira, janeiro 18, 2006

Quem são eles?

19h43. Antes de sair faço um chá. Penso neste estranho grupo com o qual me vou encontrar. Uma mulher que perdeu o dom da palavra. Ou que o recusa. Ainda não sei, ainda não sabemos. Um homem que faz a apologia da queda. Caído em si mesmo, ele é a metáfora da queda. Porque caímos nós? Aspirantes permaturos a Ícaro? Será por isso? Ainda não sabemos. Há uma mulher que vive na instabilidade do seu corpo físico. Quando menos espera ele desiquilibra-se, não se contém. Defende-se diante de nós, diz, a instabilidade não é uma condição de tudo o que está vivo? Outro é um provocador nato. Esconde qualquer coisa nas perguntas que nos faz. Porquê? O que esconde ele? Há também uma velhota muito simpática, com um linguarejar nortenho. Gostava que a minha avó fosse assim. Perpétua Sonoridade, assim se chama. Tudo no seu mundo é o som que o mundo tem. Outra é uma ex-modelo. Quer sempre parecer o que não é. É com eles que me vou encontrar. Criamos personagens na esperança de com eles reflectirmos um pouco mais sobre nós próprios.

3 comentários:

textura disse...

Gostei dessa sopa! Como gosto da de feijão e hortaliça! Um beijo para todos e que saudades do Andamento!

Che disse...

feijoada que até ferve!
www.feijoadalight.blogspot.com

folhasdemim disse...

E se calhar reflectimos mesmo, não é? Como Pessoa...
Beijos, Betty :)