segunda-feira, maio 29, 2006

Amigos

Quando olho os meus amigos vejo a minha vida. São uma espécie de caixa-forte onde guardo os meus dias. Os dias são pacientes. Esperam pelos outros dias,em bandos de trinta correm pelos meses, estes em anos. E os meus dias, os meus meses e os meus anos são os bocados mensuráveis do tempo de que disponho. Não olho apenas os meus amigos. Não é fadiga, os meus olhos nunca estarão cansados para eles. Ouço-os. Cantam, uns. Chamam-me para comer agora. E insistem. Mal sabem que é deles que falo e escrevo. Um dia quando perder todos os dias terei ainda os meus amigos. Agrada-me saber que é neles que está depositada a única possibilidade de retornar, ou não, aos meus dias.

1 comentário:

pigassola disse...

olha que coincidência, estavam vocês a sair e dei por mim a cantar com um sorriso na alma: os amigos são o nosso bolo de nataal, cada amigo nosso vale mais que um pai nataal..

mil abraços e abrazos