terça-feira, julho 03, 2007

A cultura de merceeiro e a cultura do merceeiro. A Leonor e a Sofia, sempre atentas.

4 comentários:

M em Campanhã disse...

sinto-me ofendida nos meus costados de avô merceeiro, pugilista, actor, encenador, fanático de futebol e protector dos (mais) pobres. e tu não JPN?

JPN disse...

ora nem me tinha passado isso pela cabeça. mas sim, vou passar a escrever sobre isso, reinvindicando a herança daquele velho merceeiro da Rua do Arco da Cadeia, em Elvas. :)

rui mota disse...

A "Leonor" e a "Sofia" têm toda a razão. Excelente texto. Mas se queremos menos "Berardos" e menos negócios na Cultura, então será melhor que o MC deixe a sua política miserabilista e passe a ser um ministério a sério. Por exemplo, passando os 0.4% do OE para 1%...Ou será pedir muito? Depois, não se queixem dos comendadores merceeiros!

Leonor Areal disse...

Os merceeiros, aliás em extinção, são uma classe muito estimável e importante; apenas a sua lógica económica não é a mesma que se aplica no ramo da cultura.