terça-feira, janeiro 08, 2008

Histórias do bicho homem

Levantei a mão para a porta do café que fica logo ali à esquina de quem desce do Chiado para os Paços do Concelho. Tinha fome, uma fome de cão. Por curiosidade, por causa da legislação restringindo os espaços de fumo, levantei os olhos para os dísticos. Nada. Só os master cards, multibancos e afins. A certa altura dei de caras com o aviso: neste estabelecimento não é permitido entrarem animais. Ainda vi a senhora estancar o sorriso hospitaleiro ao ver-me baixar os olhos, meio envergonhado, enquanto recuava e desistia de entrar.

2 comentários:

blue disse...

texto delicioso, jpn. :)

candida disse...

e deste ao rabo?:)