domingo, setembro 21, 2008

A gente vai continuar

Um ano depois ainda cá estou. Apetece-me viver, não tenhas disso alguma dúvida. Mas deixei de perceber as coisas da forma como as percebia. Não sei se é da tristeza, por vezes parece-me que é uma parte de mim que desistiu sem eu dar por isso, qualquer coisa é. Não sei de onde vem, parece uma nortada que perdeu o tino e de repente sopra por todos os lados. Ao fim destes meses todos ainda não chorei por ti como precisava de ter chorado, e isso faz-me mal. Mas o que queres? Todos os dias tinha o teu sorriso puro na minha parede de trabalho e depois esquecia-me de carpir. Gostava que a conhecesses, gostava de te falar dela, de sentir a tua cara a encher-se de felicidade por mim. É estranho para mim amar de novo e isso não ser pretexto para uma jornada pela noite dentro, comigo e contigo, como só os gajos sabem fazer, a desfiarmos nomes em papel-memória.

2 comentários:

Mónica (em Campanhã) disse...

...
respiro esse odor a saudade

Maria Velho disse...

...e um ano já se passou! ás vezes interrogo-me da minha pseudo bondade e abnegação! quantas vezes mais falei nele, a não ser numa aula para expôr que nem todos os que morrem por "mote próprio", desejam sequer sentir esse mote?Que isso não era um traço evidente, mas sim uma quase necessidade de aliviar a dor...? poucas vezes mais pensei na saudade que ele deixou...
somos todos, essencialmente, egocêntricos :( acho eu!