quinta-feira, novembro 24, 2005

Máquina do tempo

Há palavras que nunca deviam ter sido ditas. As ditas, essas mesmo que não podiam ter chegado à pronúncia, rebolam-se de riso perante a promessa de que nunca serão escritas. Mas há sempre um ponto. Que nos lembra as deixas esquecidas. Final. Parágrafo.

2 comentários:

Amélie Poulain disse...

Las palabras dichas, al menos, se fugan veloces, sin dejar sombras. Las palabras escritas permanecen para formar ecos perdurables, sin remedio. Y sin máquina del tiempo.

maresia disse...

um dia disse-me ponto isso é um ponto final parágrafo na conversa, é? não, é só ponto. mania essa de acrescentares palavras ao que eu digo ok, seja ponto apenas, então.