quarta-feira, maio 24, 2006

Magnífico Reitor

Não que esteja habituado a sessões solenes, fujo delas, mas logo hoje dei de caras com uma. Fui à tomada de posse do novo Reitor da Universidade de Lisboa, António Sampaio da Nóvoa. O teatro, a cerimónia, e o discurso do novo Reitor. Nóvoa começou por citar Miller Guerra, naquilo que pode ser entendido como um apelo deste à acção, ao pragmatismo e à polémica. Depois falou da necessidade de reforçar os percursos de investigação, o cruzamento de áreas rompendo com a pouca elasticidade do tecido disciplinar, abrindo a Universidade à cultura, à vida. Tenho uma forte admiração por António Nóvoa, desde que frequentei um curso de formação de monitores de expressão dramática no Centro Artístico Infantil da Fundação Calouste Gulbenkian, estávamos em 1986. Foi através dele que percebi que a expressão dramática e o jogo dramático não eram actividades para complemento salarial de actores com problemas de liquidez financeira, o chamado gancho, eram actividades de forte questionamento e reflexão sobre os elementos cénicos e as práticas teatrais. Hoje já tudo isso está mais disperso, mas há vinte, dez anos ainda era possível verificar a produtividade que este tipo de práticas provocaram nas propostas estéticas de alguns grupos teatrais portugueses. E foi António Nóvoa que me abriu - a mim e a outros - a porta deste conhecimento novo que veio refrescar o meu interesse pelo teatro. Foi através dele que conheci Giséle Barret, Jean Pierre Ryngaert, Claude Vautelet, André Marechal, Pierre Voltz, Richard Monod. Por outro lado, a seriedade, o rigor metodológico, o gosto por nos confrontar com as diferentes prespectivas e abordagens produziu em mim um interesse muito forte pela pedagogia.

1 comentário:

Aromas Do Mar disse...

Vim deixar-te um beijo grande e partilhar contigo esta dor da partida do nosso amigo Fernando..., afinal foi ele que um dia nos colocou frente a frente.

Beijo da Lina/MAr Revolto