terça-feira, julho 18, 2006

Lá ao fundo não há dragões

Sou teu, sou tua, dizemos. A posse. O estimular da posse. Há um lado do cérebro onde tudo isso acontece. Onde tudo isso se estraga. E agora olhas-me com esses olhos meio tristes meio sorridentes, sem saberes se deves olhar para trás, se para a frente. E eu sem saber também dizer. Lá ao fundo não há dragões e voltaremos a amar de novo. Nessa altura retocaremos a paisagem, os caminhos.

7 comentários:

Elisa disse...

gosto mais da frase 'daqui em diante só há dragões'... mas não me lembro... era um título de qualquer coisa, mas do quê? Mas a verdade é que o futuro está cheio de dragões... não sejas tão optimista.

JPN disse...

de um livro de Ângela Caires...esta frase faz um jogo com essa frase.

Elisa disse...

pois, eu percebi... precisamente por isso me lembrei :-)

vanrose disse...

Qual guerreiro celta, derrubarei os dragões que se me apresentarem interiormente.Quanto aos retoques, ando a tirar um curso de pintura à "pressão". Daqui a uns tempos pintarei uma aguarela em tons quentes.
Beijo

JPN disse...

Bom combate. Tenho aqui uma espada fluorescente do Pedro que assusta qualquer demónio, monstro, dragões inclusos. Se precisares...:)

Elisa disse...

A mim essa espada anti-dragões tammbém me dava jeito. Ou isso ou um bom psicoterapeuta. Será o mesmo?

Elisa disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.