quinta-feira, julho 20, 2006

Quando estamos vivos

E o mais ridiculo de tudo isto é que a retórica da morte não precisa para nada dos nossos argumentos. Ela só precisa que morramos. Por pensamentos, actos e omissões. Já tenho ouvido dizer, eu estarei por Israel. Ou eu estarei com o Hezbollah. Reprise da guerra civil espanhola? Não, nada disso. Os únicos voos que se levantam são de Beirute para Lisboa-Paris-Londres-Madrid.
Esvaziámos os lugares da matança, retirando-lhe o peso dos nossos mortos.

3 comentários:

Elisa disse...

'Esvaziámos os lugares da matança, retirando-lhe o peso dos nossos mortos'... que frase extraordinária.Vou arranjar-lhe banda sonora e postá-la no Bebedeiras, com a tua licença.

JPN disse...

:)

nitu disse...

assutador mas muito bem escrito gosto bastante de o ler...