quinta-feira, dezembro 27, 2007

Colecção Millennium: Salto à Vara

Os liberais puros, aqueles que acreditam mesmo que o Estado só serve para lhes sugar o tutano, andam por estes dias com crises referenciais. Eles que tanto gostam de dizer que na iniciativa privada um funcionário público seria escorraçado por negligente produtividade - ora aí está, na poética liberal, outra rima pobre para felicidade - têm agora que se confrontar com a circunstância de um trabalhador exonerado das suas funções públicas ir chefiar o - ainda - nosso maior bando, perdão, quero dizer, banco, privado.

6 comentários:

gestor disse...

Desculpa lá a questão, mas quem é que é o funcionário público?

Estive a ler com muita atenção o CV da Santos Ferreira, e não lhe encontrei, em ponto algum, estatuto de funcionário público.

Vai para aí uma grande confusão... intencional ou não

Para melhor esclarecimento do que é um gestor público, aconselha-se a leitura da legislação em vigor

JPN disse...

Caríssimo (e desatento) Gestor:

em vez do curriculum de Santos Ferreira deveria ter lido o de Armando Vara, antigo ministro de Guterres.

Espero também que, depois desta resposta, não reincida na desatenção e que não pense no post como um ataque a Armando Vara que estará muito bem onde querem que ele esteja.

Aqui, quando se pode, haja dentes e ocasião, só se mordem as canelas aos tiques e contradições de um liberalismo neoqualquer coisa.

gestor disse...

Chefiar o banco - parece-me, salvo melhor opinião, que vai ser a função de Santos Ferreira.

Armando Vara - vai ser incluido no board, mas não é o Chefe.

Nem um nem o outro alguma vez foram funcionários públicos. - como nós que temos tempo para estes cruzamentos de informação

nota: membro dos gabinetes do Governo, funções governativas ou gestor de empresas públicas não são funcionalismo público.

Xai Xai disse...

aqui vai: sou mais de direita que a maioria da rapaziada. no entanto, concordo com o jpn, os homens cumprem serviço de funcionário público, com formalismo ou não. são escolhidos pelo governo para governar banco 100% público. já agora, veja o cv do S.Ferreira e nem lá falta o Macauzito da ordem. Quanto ao Vara, talvez entregar-se como case study ao INA, exemplar.

Anónimo disse...

Funcionário público ou não, o Vara já era muito considerado na dependência bancária de Vinhais. Ele é mais do que um funcionário. Ele é um dedicado servidor da "coisa" pública. Um verdadeiro transmontano. Nada como os transmontanos para comerem da gamela do centrão. Nisso, os transmontanos do PS e do PSD são iguais.

gestor rigoroso disse...

vou tentar explicar em 2 linhas ...

Direita - diz que odeia o Estado mas como essa instituição é apenas o maior cliente, precisa dele como pão para a boca. essa é que é a maior contradição referencial, porque a mão invisivel do mercado funciona muito melhor com a contribuição orçamental publica do que com a iniciativa empresarial.

funcionários publicos - a direita ataca-os como paradigmas da ineficiencia, e tem razão.

Membros do governo - tirando o belmiro, que poe o filho à frente de empresas, apesar de haver melhor do que ele, regra geral toda a gente diz mal dos governantes mas nunca por serem funcionários publicos. a diferença é fundamental e deviam tentar entender os conceitos mais profundamente.

Gestores publicos - geralmente recrutados do privado e em completa promiscuidade. ex. um dos donos de uma empresa de Tecnologias de Informação foi nomeado para uma comissão (AP) que tem por missão implementar software de uma empresa cujo antigo dono é o presidente dessa comissão.

por favor deixem estar em paz os funcionários publicos (que no fundo é o que eles querem) e não os confundam com os gestores publicos ou membros do governo (que no fundo é o que eles queriam).

mais rigor é o que se pede