terça-feira, junho 10, 2008

Relógio de ponto: 60 a 65 horas

Leio no Defender o Quadrado: a produtividade, ora aí está. A única parte que me consola na notícia é que Portugal não fez parte da maioria qualificada. Eu trabalho trinta e cinco horas por semana de sete dias. Onde é que se encaixam mais vinte e cinco a trinta horas? É como diz a Sofia, o regresso ao esclavagismo. Onde é que é a petição online para isto? Para quê relógios de ponto mais modernos, digitais, oculares, se aquilo que eles medem ainda é do século XIX.

1 comentário:

Sofia Loureiro dos Santos disse...

É verdade. Portugal votou contra. E parece que também Espanha, Grã Bretanha e mais alguns. Espero para ver o que o governo, o Presidente, os partidos políticos e os CIDADÃOS têm a dizer.