terça-feira, agosto 12, 2008

Não havia muitas regras. Ao adulto o pincel, para os contornos. À criança a trincha, para o preenchimento interior. As cores eram escolhidas previamente. Tratava-se de construir um espectro de cor. A nós calhou-nos esta bailarina. Durante toda a actividade um grupo de percurssionistas dava-nos alento. Foi um prazer.

1 comentário:

no baile da d. ester disse...

olha olha, onde estiveste tu... a pintar a parede do mário :) (um bidé, um bidé, é o que estou sempre a dizer)