terça-feira, julho 04, 2006

GER 0 - 0 ITA

Corre o minuto 15. Não é para fazer concorrência à Elisa, mas ouço Blue Train, de John Coltrane. A seguir Moment's Notice. E Locomotion. I'M Old Fashioned. E por fim, Lazy Bird. Os artífices da mistificação não compreenderão como é que este post se segue ao anterior. É talvez de um simplicidade confrangedora: gosto de futebol. Seja no campo de jogos da Escola de Nampula que se vislumbrava da janela do meu quarto nos Olivais (como eu gostava daquele febrão ligeiro que me permitia ficar a caldos de galinha e apreciar os jogos e as jogadas dos craques locais) , seja no Maracangalho, o fim da Rua Cidade de Bolama, onde muitas vezes se juntavam os Catiós, seja no Campo de Futebol do Oriental ou até no Estádio da Luz, sempre adorei ver futebol. E ao mesmo tempo entristeço-me de morte quando vejo os meus amigos, os meus parentes, aqueles que me rodeiam, discutirem as estratégias, empolgarem-se com os discursos tão-interessantes-e-fascinantes-e-elucidativos-da-vida -que-temos-quando-nos-encaixotamos-diante-de-um -televisor-a-escutarmos-a-imbecilidade-militante-que -ainda-por-cima-pede-bis-olés-e-outros-aplausos.

2 comentários:

A Rapariga disse...

Prefiro a música ao futebol. Oiço Ben Harper, enquanto assisto da minha janela à loucura dos adeptos do futebol e das bandeirinhas.
Sei que é bonito, mas eu não gosto. Por isso, vejo calmamente os jogos (os que vejo), às vezes pela metade, e até sou capaz de ler um livro ao mesmo tempo. Isto para muitos é totalmente incomprensível!
Olé!

Elisa disse...

Ao minuto 15, a Elisa (que possidónio falar-se de si mesmo na terceira pessoa) trabalhava. E também ao minuto 33, descobriu mais tarde e continuou por ali a fora até ao minuto 90 e qualquer coisa. A Elisa não gosta lá muito de futebol e não tem a selecção como pátria e como centro de interesse. Aliás, se queres que te diga, desconfio que, ao som do jazz, a Elisa gosta mais desta selecção derrotada do que da outra, aparentemente invencível. Não estou triste, nem contente. Foram só alguns jogos de futebol... como pode isso produzir sentimentos tão estranhos?
bjo