sexta-feira, agosto 25, 2006

Depois da homofobia

Felizmente, quando o meu filho nasceu já me tinha libertado de qualquer minudência homofóbica. Não sei como teria sido se alguma vez tivesse de medir ou pesar os sentimentos e os impulsos que tenho de o morder, abraçar, beijar.

1 comentário:

pigassola disse...

que bom para ti e para o teu filho...