segunda-feira, agosto 27, 2007

O último post

Ao almoço no Noobai pego no jornal e leio uma espécie de recensão crítica do último romance de António Lobo Antunes. O critico mostra-se desnorteado diante da afirmação do escritor:" Isto não é romance, isto é a minha vida!". Anteontem tinha tropeçado numa frase de Maughan em que ele dizia que nunca seria um grande escritor porque à sua vida faltava aquela paleta de sentimentos que tornam uma pessoa humana. Chego ao gmail e encontro uma mensagem de uma pessoa que me conhece pelo que escrevo e que com humor sentencia que, a propósito do meu último post, parece ter sido escrito por um pirata que me usurpou o username do Respirar. Releio novamente o post. Eu achava que procurar alguém a quem confiar o último olhar nesta vida fosse a suprema experiência amorosa. Procurar alguém para morrer e antes, como a velhice é a antecâmara da morte, procurar alguém para envelhecer. De um ser que veio sem escolha e que tem de viver aos apalpões eu pensei que isso fosse o superlativo da poesia. E achava que consagrar toda uma existência a uma verdadeira experiência amorosa, mesmo que através de segundos, dignificaria uma vida, a minha. Afinal não me enganei só nos amores, também nos meus leitores. Parece que amam mais a linguagem do que a vida. Ora como este blogue não é senão aquilo que aqueles que o lêem esperam dele, não posso permanecer mais neste equívoco maior de esperar que escrever neste blogue seja um querer mais a vida que o linguarejar. Talvez este blogue também só exista como uma memória e uma promessa.

4 comentários:

Cristina GS disse...

É mesmo a sério???? Se sim, tenho pena. Já me tinha habituado. Um abraço

JPN disse...

O post é sério e a sério como devem ser todos os últimos posts. Mas claro que não é para ser levado a letra. A blogosfera é um privilégio para aqueles que como nós trabalham, seja em que registo for, a expressão. Aliás, nenhum post aqui deveria ser levado à letra. E também nós não nos devemos levar tanto a sério. Obrigado Cristina. Também gosto muito de te ter por cá.

CCF disse...

E eu que não li nada este post assim...vi nele um lamento, uma tristeza, uma sombra...nada mais. Não consigo acreditar que a escrita aqui te faça assim mal ao ponto da despedida, já chegou o fim da ponte...deixa lá "respirar" um pouco aqui.
~CC~

M em Campanhã disse...

vá, o post era só uma face menos solar do prisma