quinta-feira, outubro 18, 2007

Trilogia dos Dragões (1)

Já me tinha esquecido: detesto ir ao teatro acompanhado. Pode ser que o espectáculo seja um acontecimento e aí eu fico um bicho do mato. Não comento, não respondo, não. Suspendo a apreciação crítica, o juízo, a expressão precoce do gosto. Fico por dentro a constituir-me enquanto sonho, viagem. Um teatro de seis horas não me assusta. Aliás, eu estava emocionado, sentia-me como um puto que vai fazer a sua primeira viagem. Eu já sabia que a pergunta não seria nunca, como aguentar seis horas, sim, que viagem será esta? Sou nisso pedra rara, sei: viveria toda a vida a pão e água desde que o fizesse num teatro. Gosto do escuro do teatro, do recorte de luz a fingir que é luz a sério, e é, a luz que ilumina verdadeiramente.

3 comentários:

Maria Clarinda disse...

Adorei andar pelo teu blog e ler as tuas palavras...
Jinhos

redjan disse...

Pedra rara .... saber viver-se !
Brilliant post .... gr8 blog !!

Xai Xai disse...

até pode ser que...
tanta amor a uma causa,
seque o olhar para as outras,
mas, se um homem tem caminho,
o caminho tem o homem.

e assim respirei,
a tua inspiração.
abrç.