sábado, agosto 23, 2008

Diário de bordo

Seis da manhã hora portuguesa. Um dia de 28 horas. Com três horas de sono. Há sempre tanta coisa para fazer antes de uma viagem. E depois aquele pensamento sempre o mesmo: dormimos na viagem. Era bom. Mas dorme-se mal. Às 8h00 da manhã no Aeroporto da Portela. Até Brazília. A costa de África (orla marítima). Sobrevoar o Pantanal por volta das 16h, hora brasileira. Uma viagem santa,como diria a minha avó se ela tivesse andado de avião. Em Brasilía cinco horas à espera. Valeu-nos um amigo ali, na hora, da força aérea, comissário de bordo da comitiva do Lula, tinha ido fazer o câmbio dos doláres que ganhou com a ida a Pequim, ofereceu-se para nos levar, tinha ido a Portugal recentemente com o Lula e os portugueses foram tão simpáticos que ele quiz fazer-nos o percurso. Mostro-nos a cidade, a catedral, o lago, as embaixadas, a antena da televisão de onde se vê a cidade toda, a ponte, ele tinha tanto orgulho naquela ponte, e foi assim que se passou o tempo de espera. O último voo, uma caranguejola que nos levou por um voo nocturno sobre o pantanal e que fazia um barulho próximo daquelas aceleras a quem os putos cortavam os escapes, trouxe-nos até à pouco. Eram quatro e meia. E agora, são seis horas aí, duas aqui, vou dormir. E já não sei se volto...

2 comentários:

sete e picos disse...

boa estadia compañero!

a rapariga que vinha da província disse...

uns dias em grande, é o que se deseja!