segunda-feira, outubro 01, 2007

O jardineiro que tinha uma obsessão por amores perfeitos

Uma vez a sua avó Matilde tinha-lhe dito que ele poderia perder de vista todos os amores-perfeitos que encontrasse pela vida fora, que nada disso o iria indispor com o amor. Aliás, tinha-o dito de outra forma, ele lembrava-se da articulação exacta das palavras, do que elas significavam:
- Aprende a desembaraçar-te dos amores-perfeitos. Admira-os, rega-os, vela-os, mas não te prendas excessivamente a eles. Uns vêm atrás dos outros e assim será, sempre.
Ele respeitava profundamente as opiniões e os avisos da sua avó Matilde, aquela mulher cuja idade parecia ter o condão de a tornar cada vez mais bela. Ela era uma autoridade no assunto. A sua vida tinha sido uma aventura nas terras do amor, da paixão e até, da luxuriosa vida ardente de uma confessa e assumida balzaquiana . Foi por isso que lhe guardou o conselho, dito com uma severidade inabitual:
- Com uma única excepção: se encontrares uma mulher que te faça rir de manhã, dessa deverás fazer a tua amante, ou a tua esposa, ou até mesmo a tua concubina, desde que dela nunca mais te separes.
David lembrou-se disto quando as suas gargalhadas quase estremeceram com aquela manhã ainda por despertar. Enrolava-se nos lençóis, desfazia-os num sorrir terno de criança, espraiava-se no linho como se este fosse um mar revolto.
- Gosto de ti!
- Eu gosto mais! - respondia-lhe Adelaide rindo.
E diante de tanto riso David ouvia novamente as palavras da sua avó Matilde, desde que dela nunca mais te separes.
- Queres casar comigo?
Ela riu, riu ainda mais. Enquanto lhe beijava as nádegas, lhe apertava o sexo, gargalhando sempre:
- Caso-me com este.
- E comigo?
- Contigo não. Já sou casada com ele. Porque é que me perguntas se quero casar contigo?
- Para saber se és o meu amor-prefeito.
- Agora já sabes que não sou.
- Enganas-te. É exactamente ao contrário.
E era. Já não era a sua sábia avó que o dizia, era ele, a sua vontade, a sua estranha obsessão por amores perfeitos.

2 comentários:

andré guimarães disse...

e que dizer de uma mulher que faça qualquer momento do dia ser manhã?

sete e picos disse...

bonita história!o meu amor também me faz rir de manhã, e á noite e á tarde, de tão perfeito tornou-se possível...:)